Resenha: A Arte de Inventar o Amor, de Kristan Higgins

Título: A Arte de Inventar o Amor
Autor(a): Kristan Higgins
Páginas: 336
Skoob: Adicione
Editora: HarperCollins Brasil
Sinopse: Grace dominava como ninguém a arte de inventar o namorado perfeito. Não que isso a deixasse desconfortável. Afinal, existem aqueles que se comprazem em olhar vitrines de marcas de grife que não cabem no bolso Outros, se realizam colecionando fotos de resorts de luxo que jamais irão visitar. Ela apenas criava o homem ideal et voilá!, ficava amiga das meninas mais populares da escola Ou suportava ter de trocar o pneu furado em meio a uma nevasca imaginando que recebia a ajuda de um verdadeiro gentleman. Quando ela começa a ser cobrada pela família para encontrar um marido, Grace anuncia em alto e bom som que tem se encontrado com alguém Alguém maravilhoso Alguém bonito Alguém completamente ilusório! Mas desta vez ela é convocada a apresentar o novo pretendente em carne e osso. 
Callahan O'Shea, vizinho de Grace, é totalmente o oposto do Senhor Perfeito. Renegado e com um passado que o condena, ele não se encaixa nos devaneios dela. Mas pensando bem, o namorado imaginário bem que poderia ter o corpo de Callahan Ou o senso de humor afiado dele Talvez, quem sabe, a mesma inteligência e coração grande! Uau! Não. Callahan O'Shea não poderia ser seu homem perfeito! Mas uma pergunta deixa Grace inquieta. Se Callahan é tão errado, por que ela sente que tudo se encaixa perfeitamente quando estão juntos?


RESENHA
Eu realmente estava precisando ler algo divertido, leve e com um romance em que eu me identificasse.

Grace é professora de história em uma escola particular, sua especialidade é sobre Guerra Civil Americana, o amor é tão grande por essa temática que Grace costuma ir a eventos fantasiada de personagens históricos e faz encenações sobre momentos dessa parte da história. Além de ser professora, Grace frequenta uma casa de idosos, onde além de ler para eles, ensina-os a dançar. Com tantas ocupações em mente, quem precisa de um namorado?

Infelizmente, seu ex-noivo a trocou pela irmã caçula, e como Grace é uma personagem maravilhosa que faz de tudo pela sua família e amigos, apoia sua irmã. É claro que ela fica destruída por dentro e com raiva de Andrew, seu ex-noivo, mas pela sua irmã ela só consegue sentir amor e a quer ver feliz. Todos veem como se ela estivesse sofrendo e sentem pena, Grace fica irritada com toda essa situação e acaba inventando que tem uma pessoa em sua vida.
Contudo, uma situação inusitada com o novo vizinho, pode fazer as coisas mudarem de rumo.

O livro além de trazer diversão, traz o preconceito, tanto da própria protagonista, quanto de quem está ao redor, seja família, amigo ou trabalho. Callahan tem uma história complicada e para ser incluído na sociedade não é fácil, as pessoas o julgam mal, afinal, quem não o julgaria pelo que constaram as provas e testemunhas?

Grace tem sim umas atitudes de preconceito com ele e isso chegava a me incomodar, e só com o tempo ela foi mudando seu conceito e isso mostrou uma evolução no ponto de vista da personagem que a fez madurecer.

Senti que a autora quis passar esta mensagem para o leitor, muitas vezes julgamos as pessoas sem realmente conhecer sua história ou motivo que fizeram ela “chegar aonde chegou”. Toda atitude, seja boa ou ruim, tem seus “por quês” e antes e tudo, ter empatia. O mundo precisa mais disso, que as pessoas tenham empatia pelas outras.

A escrita da autora também é maravilhosa. Simples e prazerosa, a leitura flui rápido e você não consegue parar de ler. Os personagens são cativantes e você acaba se sentindo parte da família. Devo dizer que amei o Angus, ele é um dos melhores cachorros do mundo!

Eu recomendo este livro, ainda mais para quem está de ressaca literária. Tem muitos depoimentos de pessoas que estavam de ressaca e quando pegaram este livro, em menos de um dia terminaram de ler!

BEIJOS DE LUZ! ;*

Compartilhe:

0 comentários